Notícias

Secretário de Estado visita a igreja de Moncarapacho e a de S. Pedro em Faro

O Secretário de Estado da Administração Local António Leitão Amaro inaugurou ontem, 5 de agosto a nova cobertura da nave principal da Igreja Paroquial de Moncarapacho, no concelho de Olhão, cerimónia que contou com a presença do presidente da CCDR Algarve David Santos e do representante da Fábrica da Igreja, Padre Rui Barros.

Esta obra representa um investimento de 98 mil euros, comparticipado a 70 %, beneficiou do cofinanciamento do Programa Equipamentos Urbanos de Utilização Coletiva e teve como objetivo a reparação da cobertura do telhado da nave principal da igreja, dado o estado de degradação em que se encontrava.

No âmbito deste Programa, decorreu também,  na Igreja Paroquial de São Pedro, em Faro, a celebração do contrato de financiamento da obra de remodelação da iluminação interior desta igreja, um investimento no montante de 70 mil euros comparticipada igualmente a 70% e que contou igualmente com a presença do secretário de Estado. Assinaram o contrato David Santos e o representante da Fábrica da Igreja Paroquial de S. Pedro, Cónego César Chantre.

Recorde-se que o “Programa Equipamentos Urbanos de Utilização Coletiva” apoia financeiramente instituições privadas sem fins lucrativos, instituições particulares de solidariedade social e ainda freguesias e associações de freguesias (subprograma 2), na realização de projetos ou obras de reabilitação em equipamentos desportivos, religiosos, culturais ou recreativos.

O Secretário de Estado no decorrer da visita afirmou «este Programa  esteve suspenso e conseguimos retomá-lo no ano passado. É um pequeno sinal no momento em que as contas do país já estão quase em ordem. Este dinheiro que foi possível contratualizar é o fruto do trabalho e suor dos portugueses. Consideramos importante este tipo de investimentos nas Igrejas, pela preservação do património e valorização da nossa identidade. Em segundo lugar porque consideramos que  as pessoas vivem e ultrapassam em conjunto os melhores e os piores momentos. Por isso faz parte dos deveres e responsabilidade do Estado apoiar esta ideia de vida em comunidade. São estes pequenos sinais que nos fazem ter esperança,  referiu o governante.  

Última modificação: 
Sexta, 7 Agosto 2015